Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/02/18 às 19h22 - Atualizado em 16/05/19 às 15h34

Zoológico de Brasília devolve loba-guará à natureza

 

POR MARIANA DAMACENO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

 

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

A Fundação Jardim Zoológico de Brasília participou na tarde dessa sexta-feira (16) da soltura de uma loba-guará, com vítima de atropelamento. Em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o zoo acompanhou a contenção e o manejo do canídeo até o novo lar, de volta a natureza.

 

Antes de ser escolhido o lugar — que não pode ser informado —, o órgão federal fez um levantamento da espécie no local e um estudo para saber se o espaço comportaria mais um indivíduo. Além disso, certificou-se de que a área tivesse comida, água e ficasse longe de pistas urbanas.

 

De acordo com o coordenador do Centro de Triagem de Animais Silvestres, do Ibama, Márcio Henrique Ferreira, a maior parte dos resgates que o Instituto faz de lobos-guarás é devido a atropelamentos.

 

“Hoje em dia, a área de vida dos lobos sofre muita pressão urbana”, explica o assistente de plantel da Diretoria de Mamíferos do Zoo, Lucas Macário. “Os atropelamentos ocorrem muitas vezes quando eles estão à procura de alimento.” Outras causas que os ameaçam são a perda de habitat, com a expansão da agricultura, e cachorros domésticos.

 

Antes de ser solta na natureza, a loba-guará passou por cuidados no Zoológico de Brasília durante dois mês. Já adulta, a fêmea foi resgatada pelo Ibama e precisou de tratamento para uma fratura na pélvis e uma hemorragia no baço. Além disso, tomou medicações para o controle de doenças causadas por carrapatos oriundos da natureza.

 

Ela foi mantida em um recinto no setor do Zoo, específico para o manejo populacional de espécies ameaçadas e isolada do contato humano, para que tivesse o comportamento selvagem preservado. De acordo com a veterinária do Zoológico Betânia Pereira Borges, para que não percam os hábitos da vida livre, é importante que animais silvestres aptos a voltarem à natureza façam-no o mais rapidamente possível.

 

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

A Fundação trabalha em projetos de adaptação para soltura de outros cerca de 200 indivíduos, que também chegam por meio de nascimentos e de resgate dos órgãos de fiscalização como o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), Batalhão de Polícia Ambiental (BPMA), Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e são encaminhados ao Zoológico. Entre eles está Cangote, quati que veio com poucas semanas, está se reabilitando para soltura e se mantém arisco.

 

De acordo com Betânia, está em estudo um projeto — que envolve vários fatores tais como analise de comportamento, adaptação nutricional e analises sanitárias — para incluir o pequeno mamífero em um grupo.

 

Segundo a veterinária, nem todo animal está apto a retornar para a natureza. Os motivos variam e podem incluir algum problema de saúde ou até o fato de ele ter se tornado manso demais, o que provavelmente o mataria na vida livre.

 

O tamanduá-mirim Pudim, por exemplo, passou por um trabalho de “desapego ao contato humano”, e até ficou com um exemplar adulto para que aprendesse os hábitos da espécie. Ainda assim, é muito dócil e procura colo humano.

 

Foto: Tony Wiston/Agência Brasília

Manoel, um bugio-preto, representa outro caso. Ele precisou amputar o braço depois de ter levado um tiro na natureza. O primata teve atrofia muscular e teria dificuldade de ser aceito novamente em um grupo. Segundo Gerson Norberto, diretor-presidente da Fundação Jardim Zoológico de Brasília (FJZB), “a previsão é que ele seja enviado a um mantenedor particular (criador conservacionista) onda fará parte de um novo grupo familiar, reproduzindo-se e gerando novos filhotes que irão compor uma nova população que ficará disponível para reintroduções em regiões como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, onde muitos bugios foram dizimados pela Febre Amarela, tornando-os inclusive extintos em algumas dessas áreas”.

 

Nascido no Zoológico de Brasília, 007, um tamanduá-bandeira, vive em um recinto particular, no Mantenedor de Fauna Silvestre, Criador Recanto das Águias. Esses espaços são parceiros na conservação da fauna do Cerrado. Fiscalizados pelo Ibama, passarão a ser acompanhados Ibram, conforme prevê a legislação.

 

Mesmo em cativeiro, esses espécimes continuam importantes para a conservação das espécies. Com a falta de lugares adequados para soltura, o cuidado de locais autorizados passa a ser uma opção para garantir a existência dos bichos.

 

É nisso que acredita a responsável técnica do Criador Recanto das Águias, a médica-veterinária Ludmila Rodrigues Souza, que recebeu 007. Com a guarda de cem animais, ela e a família mantêm um espaço de conservação com recintos e cuidados adequados.

 

Foto: Tony Wiston/Agência Brasília

Em um terreno de 20 mil metros no Park Way, o lugar, mantenedor autorizado pelo Ibama, abriga mamíferos e répteis. Nesse caso, não é permitido que eles se reproduzam ou sejam vendidos, por exemplo.

 

Todo o gasto com alimentação e outras necessidades dos bichos, frutos de resgates, é responsabilidade do dono da propriedade, que deve ter um técnico responsável por zelar pelos animais e condições financeiras para manter o local.

 

A raposa do Cerrado Chacal, que chegou há cerca de sete anos, perdeu um dos olhos depois de levar um tiro e passou por cirurgia.

 

O foco, conta Ludmila, é a segurança e o bem-estar. “Sei que eles estão melhores aqui do que onde estavam”, avalia, ao destacar que os resgates ocorrem quando o ser humano de alguma forma destrói a natureza. “Não adianta soltar [o animal] se ele não estiver pronto. Ele vai morrer.”

 

Atropelada perto da Chapada dos Veadeiros (GO), a loba-guará Lua vive graças aos cuidados da família de Ludmila há cerca de oito anos. Foi a médica que ajudou a tratar as patas dianteiras da fêmea, cujo primeiro atendimento ocorreu na Universidade de Brasília (UnB).

 

A conservação dos animais silvestres em cativeiro garante a variedade genética para que, caso necessário, eles cruzem entre si e até recuperem a fauna na natureza de forma saudável, defende a veterinária.

ZOO - Governo do Distrito Federal

Fundação Jardim Zoológico de Brasília

Fundação Jardim Zoológico de Brasília Avenida das Nações, Via L4 Sul, s/n - Brasília, DF. CEP - 70610-100 Telefone: 3445-7000