Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/01/20 às 15h46 - Atualizado em 8/04/24 às 14h33

Elefante-africano

COMPARTILHAR

Elefante-africano (Loxodonta africana)

 

TAXONOMIA
Classe Mammalia
Ordem Proboscidea
Família Elephantidae

 

Nomes no Zoo: Chocolate e Belinha

 

Histórico: Chocolate – O elefante Chocolate nasceu em cativeiro em 20 de abril de 1992. Ele chegou ao Zoológico de Brasília em 2008, após uma decisão judicial que o resgatou de um circo itinerante. Chocolate chegou ao Zoológico com a saúde debilitada e sem o marfim; espécie de dentes externos dos elefantes. A memória de elefante não deixa Chocolate esquecer a “dança” que aprendeu para fazer as apresentações no circo. Volta e meia é possível flagrá-lo arrastando as patas para frente e para trás, repetidas vezes. O que pode parecer inofensivo, na verdade, reflete um treinamento baseado em punições. No circo, o colocavam em um piso quente, obrigando-o a levantar as patas para não se queimar. Apesar de todos os cuidados da equipe multidisciplinar do Zoo, algumas feridas de Chocolate ainda aparecem e requerem atenção especial dos veterinários.

 

Belinha –  A fêmea Belinha chegou ao Zoológico de Brasília em 1995. Ela nasceu no Parque Nacional Kruger, na África do Sul, em 1993, e foi doada ao Zoo por Nelson Mandela, à época presidente da África do Sul. Ela veio junto do companheiro Babu, que morreu em 2018.

 

Características: É o maior e mais pesado animal terrestre, podendo pesar até seis toneladas. Existe uma grande diferença entre os sexos, com os machos medindo até 3,2 m de altura e as fêmeas, 2,6 m. Ao contrário do elefante-asiático (Elephas maximus), apresenta grandes e amplas orelhas, dorso convexo, duas projeções – denominadas “dedos” – no final da tromba e tanto machos como fêmeas possuem presas. A coloração varia do acinzentado ao marrom, e a pele é enrugada como adaptação para a exposição ao sol.

 

Distribuição Geográfica: Ocorre atualmente na África ao sul do Saara. Existem registros de que, no passado, sua distribuição abrange regiões das montanhas Atlas e do delta do rio Nilo, no norte da África.

Habitat: Savanas, florestas, desertos e pântanos.

 

Alimentação: Herbívoro.

 

Reprodução: Gestação de 22 meses, nascendo 1 filhote.

 

Expectativa de Vida em Cativeiro: 75 anos.

 

Status de Conservação (IUCN): Vulnerável.

 

Curiosidades: Esses animais vivem em sociedades matriarcais, onde os grupos são compostos por fêmeas e filhotes, liderados por uma fêmea mais velha denominada “matriarca”. Os machos abandonam o grupo na puberdade e passam a viver sozinhos ou em pequenos grupos temporários com outros machos. Pesquisas genéticas recentes sugerem a existência de duas espécies de elefante na África, sendo uma na savana (Loxodonta africana) e outra na floresta tropical (Loxodonta cyclotis). Ambas encontram-se sob grande ameaça da caça ilegal pelo marfim e perda do habitat com a expansão de fazendas e cidades. Estudos alertam que, se nada for feito, os elefantes podem desaparecer em estado selvagem dentro de 20 anos.

 

Plantel do Zoológico
Machos Fêmeas Indeterminado
1 1 0

 

* Com informações de: IUCN, ICMBio e Ministério do Meio Ambiente.

ZOO - Governo do Distrito Federal

Fundação Jardim Zoológico de Brasília

Fundação Jardim Zoológico de Brasília Avenida das Nações, Via L4 Sul, s/n - Brasília, DF. CEP - 70610-100 Telefone: (61) 3445-7048
e-mail: atendimento@zoo.df.gov.br